Vocalizar, entoar, cantar: efeitos terapêuticos

por Ana Denise G. Emmermacher

Sobre o processo de formação dos fonemas e sua atuação no organismo e psique humanos. Análise fonética de um mantra em sânscrito de acordo com as elaborações de Alfred Baur.

Ninguém ousa contestar o ditado popular “Quem canta os males espanta”, porém também é terapêutico nos deixar levar pela música e dançar. Qualquer som ou ruído afeta o ser vivente. Entretanto o som musical nunca soa isolado, cada tonalidade desencadeia os harmônicos correspondentes, que formam intervalos de 5º grau, isto é, na proporção 3/2 , enquanto um tom vibra 300, 600, 1000 vezes, o outro vibra 450, 900, 1500 vezes por segundo, respectivamente. No nosso pulmão temos também inscrita esta proporção: 3 lóbulos no pulmão direito e 2 no pulmão esquerdo.

Leia o artigo completo – PDF


Adicionar a favoritos link permanente.

Comentários fechados.