Ecos do sertão: as cantigas de aboio e as pelejas

por Ana Lygia dos Santos e Paulo Roxo Barja

Um olhar atento é lançado para a cultura contemporânea e as representações das práticas orais do vaqueiro, tangenciadas para os centros urbanos. A pesquisa em questão debruça-se sobre a oposição de sentidos entre o vaqueiro e o artista popular: enquanto o vaqueiro utiliza-se do seu canto para aproximar-se da comitiva, somando-se aos demais; o cantador, por outro lado, faz da técnica do desafio a forma ideal para mostrar que se destaca dos seus pares.

Leia o artigo completo – PDF

Adicionar a favoritos link permanente.

Comentários fechados.